Grupos de Referência Aprendiz
Resultantes das ações iniciadas nas escolas municipais, os Grupos de Referência Aprendiz são formações artísticas de crianças e jovens que estão dando continuidade aos estudos musicais na Sala Aprendiz.
 
Nossa equipe estimula os interessados a aprofundarem o aprendizado da música e a integrarem as orquestras e os conjuntos de música de câmara. O Grupos de Referência frequentemente realizam apresentações, concertos e recitais por Niterói, Rio de Janeiro e entorno, possibilitando a circulação por teatros e outros espaços da cidade. Esta é uma oportunidade para familiarização com o universo profissional da música e desenvolvimento técnico e artístico dos jovens musicistas.
Todos os anos novos grupos surgem e antigos se renovam. Acompanhe nosso calendário, assista aos concertos e prestigie nossos alunos! O apoio e reconhecimento da família e comunidade são fundamentais neste processo.
 
Conheça nossos grupos!
OJN_ft_João Jardim.png
Orquestra Jovem de Niterói
 
A recentemente rebatizada Orquestra Jovem de Niterói (OJN), antes chamada Orquestra Sinfônica Aprendiz (OSA), foi criada em 2007 como uma oportunidade para que os alunos egressos das Escolas Municipais, locais onde o Programa Aprendiz atua, possam dar continuidade aos estudos musicais. Na OSA os interessados aprofundam o aprendizado da música tanto a partir das classes de instrumentos e de teoria e percepção musical quanto, principalmente, pela prática em conjunto. Assim, aprimoram suas habilidades técnicas e artísticas, além de vivenciarem a experiência orquestral com ensaios e apresentações públicas.
 
A Orquestra Jovem de Niterói é composta por cerca de 50 jovens instrumentistas com idades entre 15 e 23 anos. A organização sinfônica contempla diferentes grupos de cordas e sopros característicos desta formação: violinos (1º e 2º), viola, violoncelo, flauta transversa, trombone, trompa, clarineta, oboé e fagote. Sob a regência do Maestro Evandro Rodriguese, a OJN tem apostado em um amplo e diversificado repertório musical. Da produção barroca aos compositores contemporâneos, sempre com foco na música brasileira, a seleção busca misturar clássicos às produções recentes que despertam o interesse dos aprendizes e do público.
 
Ao longo de sua trajetória, a OJN já realizou mais de 100 apresentações nos principais equipamentos culturais de Niterói, tais como Teatro Municipal de Niterói, Teatro Popular Oscar Niemeyer, Museu do Ingá, Museu de Arte Contemporânea, Solar do Jambeiro e Sala de Cultura Leila Diniz - Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro, além de apresentações gratuitas em praças e outros espaços de lazer e convivência de todas as regiões da cidade. 

A OJN também conta com suporte pedagógico de parceiros internacionais (saiba mais aqui). Assim, em função deste conjunto de atividades e realizações, a passagem pela Orquestra Jovem de Niterói tem facilitado e estimulado o ingresso nas universidades e nos cursos de música Brasil afora. Hoje existem vários integrantes e ex-integrantes da OJN que iniciaram suas carreiras em orquestras profissionais e que seguiram formação no magistério, integrando ainda o quadro de equipe do Aprendiz.

Em 2017 foi produzido o primeiro filme sobre o conjunto. O projeto foi selecionado pelo 1º Edital do Instituto CCR e contou também com apoio da empresa Equinor (antiga Statoil) e da Prefeitura de Niterói. A ação incluiu uma turnê de concertos pelo interior fluminense. O média-metragem pode ser conferido gratuitamente aqui.  
​​
Orquestra Guerra-Peixe
 
A Orquestra Guerra-Peixe (OGP) nasceu em 2014 frente à grande demanda de alunos mais jovens pela participação na orquestra principal do Programa Aprendiz (OSA). O excelente trabalho de musicalização e introdução instrumental desenvolvido nas escolas municipais aumentou a quantidade de crianças aptas (e interessadas!) a integrar um grupo artístico.
 
Com a chegada de novos alunos vêm novas demandas: elaborar estratégias e repertório adequados para atender os muitos estudantes com apenas 11 anos de idade que já tinham boa desenvoltura técnica e conhecimentos musicais. Assim, decidimos fundar a OGP. 
   
O nome do conjunto veio em homenagem ao centenário de nascimento do maestro César Guerra Peixe, um dos principais compositores da música brasileira, celebrado em 18 de março de 2014. A Orquestra Guerra-Peixe atualmente é composta por cerca de 16 jovens instrumentistas com idades entre 11 e 14 anos. Daniel Andrade, professor de violino, responde pela condução do grupo. O repertório é primordialmente brasileiro e os ensaios acontecem na Sala Aprendiz. 
 
A Orquestra Guerra-Peixe funciona como um nível intermediário entre os egressos das escolas e os alunos de nível avançado da Orquestra Sinfônica Aprendiz. Desde sua criação a OGP tem cumprido uma agenda de apresentações e vem impressionando outros jovens e adultos com seu desempenho. Ao atingirem nível técnico suficiente (aprovado em banca específica), os instrumentistas maiores de 14 anos de idade podem passar a integrar a OSA (ou ambas).
Orquestra Interculturalidades
 
O projeto Interculturalidades: Oslo Camerata em Niterói surgiu a partir de uma parceria firmada entre o Instituto Memória Musical Brasileira (IMMuB), organização sem fins lucrativos gestora do Programa Aprendiz – música na escola, e o Barratt Due Institute of Music, renomada entidade norueguesa de ensino de música de onde nasceu a orquestra Oslo Camerata.
Com o projeto "Interculturalidades: Oslo Camerata" em Niterói implementamos a prática de conjunto instrumental - orquestra de cordas infantil (violino1 e 2; viola e cello) - dentro da Escola Municipal Julia Cortines sob orientação pedagógica de músicos e professores do Barratt-Due e da Oslo Camarata.
Graças ao patrocínio da empresa Equinor (antiga Statoil) temos desenvolvido o projeto com muito sucesso: no 1º ano, em 2014, testamos o projeto-piloto; em 2015 demos continuidade às atividades; em 2016 reunimos uma turminha com nível avançado na Sala Aprendiz, dando espaço para que novos alunos ingressem nas classes dentro da escola; e em 2017 e 2018 o trabalho segue em desenvolvimento com a orquestra Interculturalidades na Sala Aprendiz.
Como funciona?
 
40 alunos (com idade entre 8 e 11 anos) devidamente matriculados na escola se inscrevem para receber aulas individuais e de prática em conjunto. As aulas são ministradas por seis profissionais brasileiros com metodologia e técnicas trazidas pelos professores-músicos da Oslo Camerata.
 
As aulas acontecem dentro do espaço escolar no contra-turno, sempre gratuito para os estudantes. Os instrumentos foram doados pela Oslo Camerata, e a parceira Concerts Norway também contribuiu com sua viabilização.
 
Ao longo do 1º ano os professores brasileiros tiveram alguns encontros (presenciais e virtuais) com os profissionais noruegueses. Nas ocasiões, passaram por etapas de um treinamento para aprendizagem do método de ensino praticado na Noruega e adaptação ao contexto nacional. As visitas dos noruegueses à Niterói também foram extremamente importantes para supervisão in loco dos professores brasileiros.
 
Um dos resultados deste trabalho foi a criação dos primeiros livros do violino (“Viva! Eu toco violino”), viola e cello: métodos escritos com as 12 primeiras aulas do instrumento para crianças. Este produto não era previsto no projeto inicial, mas foi uma consequência positiva do trabalho em conjunto de todos os profissionais envolvidos.
 
A Orquestra Interculturalidades já realizou várias apresentações para a comunidade escolar, e frequentemente participa de concertos do Programa Aprendiz, integrando a programação cultural oferecida por nós.
 
Orquestra Popular Aprendiz
 
A Orquestra Popular Aprendiz é a união da Banda Sinfônica Aprendiz e do Regional Aprendiz e é formada por alunos que também integram a Orquestra Jovem de Niterói (OJN). O conjunto conta com cerca de 20 instrumentistas. Desde 2011 o grupo tem se apresentado com um repertório independente e vem cumprindo agenda artística em locais como Museu de Arte Contemporânea (MAC), Teatro Municipal de Niterói, Sala de Cultura Leila Diniz, Teatro Popular de Niterói, dentre outras salas de concerto.
 
A direção do grupo tem sido feita pelo Prof. Gabriel Dellatorre, regente formado pela UFRJ e especializado em grupos instrumentais de sopros. No Aprendiz Musical, Gabriel também é professor de clarinete e de teoria musical.
 
Em 2013 o conjunto inaugurou a parceria com a Gersthofen Youth Orchestra, uma orquestra jovem de sopros alemã, com um concerto no shopping Bay Market (próximo às barcas, no Centro de Niterói) e no Teatro Abel. Desde então temos intensificado o intercâmbio de alunos entre Brasil e Alemanha: em 2014 enviamos 3 jovens aprendizes para passar um mês em Gersthofen - estudando, tocando e aprendendo; em 2015 conseguimos mandar 6 alunos para Alemanha para realizar apresentações e workshops com eles, e recebemos uma jovem instrumentista alemã que ficou durante 60 dias conosco.

 
Regional Aprendiz
 
Criado em 2016, o grupo é formado principalmente por alunos provindos das Unidades Escolares do núcleo de MPB com idades entre 14 e 24 anos.
 
Sob condução do professor Tiago Souza, trata-se de um conjunto característico de MPB que traz instrumentistas de cordas dedilhadas, sopros, percussão e voz. No repertório, obras de grandes nomes da música popular brasileira.
Coro_Aprendiz_ft_Mila Ramos.jpg
Coro Aprendiz
 
O Coro Aprendiz é o mais novo grupo de referência do Programa Aprendiz. Foi criado para promover a formação dos alunos através da prática coral de excelência, buscando desenvolver a integração social e o gosto pela música, a partir da execução de um repertório diversificado, que inclui músicas eruditas e populares de várias nacionalidades e diferentes estilos e gêneros.
O grupo, conduzido pela professora Fatima Mendonça, é formado por cerca de 20 integrantes, composto por alunos de 10 a 23 anos e também professores do Programa.